sexta-feira, 15 de setembro de 2017

O desmame: como foi

Cof, Cof.... quanto pó por aqui...
Desapareço e volto do nada como sempre... em algum momento me firmo de vez ou desisto de vez, hehe...

Tenho tanta coisa pra contar que não fim não não conto nada... Mas como vir por aqui esta cada vez mais difícil, vou convidar quem aparece por aqui ainda para conhecer meu Instagram @trajetoriadeumamae , lá pelo menos está atualizado, e também ando compartilhando alguns stories... 

Mas vamos contar o que interessa, lembram no post anterior que comentei que ia começar o desmame da Mahara??? E depois de todo o meu drama pra desmamar preciso contar um segredo, sabe aonde esta o maior problema que dificulta o desmame: a mente da mãe. Sério gente, a criança vai chorar no primeiro dia, vai pedir o peito, vai fazer cena porque nós mudamos a rotina deles, era algo que sempre tinham e nós tiramos... Mas se nós como mães colocarmos na nossa mente que agora é o momento, que é para o melhor dos nossos pequenos e aceitar o desmame vai fluir tudo mais tranquilo.

Comigo foi assim, falava que "hoje começo o desmame", mas no primeiro chorinho da Mahara eu já cedia... e dai acabava que desistindo... até que um dia tive que tomar antibiótico, e neste dia mesmo coloquei na minha cabeça que não poderia amamentar mais pois o antibiótico poderia ir no leite e fazer mal para a Mahara. Peguei a Mahara na escola, expliquei para ela que não tinha mais "mamá da mamãe" e que teria que tomar mamá na mamadeira. Ela olhou pro meu peito, falou mamá babau e aceitou. 

Chegamos em casa, ela pegou a mamadeira e tomou meio sentida, comentando que o mamá da mamãe babau. Na primeira noite ela chorou, queria o peito, expliquei novamente que não tinha mais mamá e ela tomou a mamadeira e dormiu. E depois fluiu tranquilamente, varias vezes via, cheirava o peito, fazia biquinho e comentava mamá babau. E agora uma ou outra vez ela lembra do peito, mas não tenta mamar, não chora, só lembra o quanto era bom ( e olhar dela lembrando dói na gente). 

E foi tranquilo, doeu em mim, os peitos empedraram, tive que tirar com a bomba para aliviar a dor, ma depois foi secando aos poucos e hoje estão menores do que eram antes de engravidar.

E ai, como foi o desmame... 

terça-feira, 20 de junho de 2017

Desmame: a saga

Uma saga chamada desmame, e essa começou por aqui. Confesso que achei que seria muito mais fácil, porque tudo que a gente lê e pesquisa sempre parece mais fácil. Mas não está sendo nada fácil( já entenderam neh que não é fácil hebe), o desmame é muito complexo, ele não é apenas acordar e decidir: hoje não amamemtarei mais. Ele envolve o emocional, a mente, memórias, e outra pessoa diretamente: a sua cria e que por sinal não quer desmamar. Envolve também terceiros, o pai que terá assumir o seu posto de mamá pra ela não sentir o seu cheiro, os avós que sempre vão acabar perguntando se não quer o mamazinho da mamãe quando estiverem nervosos, envolve também aquela mãe desconhecida que está amamentando seu filho, enquanto a sua cria  que você quer desmamar assiste, salivando querendo estar como aquele bebê.

Envolve também  a sua força de vontade, porque a vontade mesmo é desistir de tudo e deixa-lá mamar até ela decidir que não quer mais. Quando você pesquisa sobre o assunto o que você mais lê é que o amamentar tem que ser bom para ambos, se pra um não estiver bom, tá na hora de desmamar. Mas e se essa hora não chegar??? Aqui não chegou, aqui ainda é tão bom quanto foi naquele dia, a quase dois anos, na nossa primeira troca de olhares, aqueles olhinhos de jabuticabas vidrados em mim e sua boquinha tão pequenina se agarrou no bico do peito, naquela sala do parto, toda sujinha ainda e não largou mais. Aqui amamentar ainda é emocionante, ainda acelera o coração, ainda junta lágrimas nos olhos de tanto amor transbordante por aquele ser que Deus te presenteou. E pra ela ainda é o porto seguro, é onde ela quer estar, e nem a mamadeira (que por sinal também pegou numa boa e qualquer tipo de bico) substituí.

Mas então Jéssica, por que desmamar se você e ela ama tanto??? Porque a minha "meta" eu alcancei, dois anos amamentando, e porque quero mais um, quero viver essa experiência de novo, não esse ano, mas ano que vem e pra isso quero a Mahara desmamada e se conseguir, desfraldada também.

Mas como já disse várias vezes no começo, não está sendo fácil. Foram 6 meses de amamentação exclusiva, 8 meses sem complemento de fórmula e quase 11 meses de livre demanda e o dia todo. E agora faltando 10 dias para seus 2 anos ainda mama no peito. E como negar um pedido tão singelo: Mãe! Mamá da mamãe....

terça-feira, 30 de maio de 2017

E como estamos...

Bom dia...

Toda vez que resolvo voltar aqui de uma vez... alguma coisa acontece pra me impedir... 

E desta vez foi minha princesa que ficou dodói... uma semana depois que nos mudamos para o apartamento, a Mahara começou apresentar febre, e aparentemente sem motivos. Depois de um dia todo de febre tento conseguir consulta com a médica dela, porém só tinha horário no dia seguinte, como a febre cismava em não passar levei no plantonista do meu plano, conseguimos ser atendidos na hora, por uma médica bem querida e atenciosa, porém ela diagnosticou infecção no ouvido, receitou antibiótico e outros medicamentos. Mas mãe tem um bichinho que não gosta de acreditar em médica neh... Eu acreditava que podia ser infecção, mas não no ouvido, já que todo mundo fala que infeção do ouvido dói... E você podia apertar o ouvido da Mahara tranquilo e ela não reclamava. 

Como a febre não passou, apenas sumia durante efeito do medicamento e voltava, levei ela na pediatra dela, ela falou que realmente não era infecção de ouvido mesmo, e nem de garganta, solicitou um raio x e continuou os medicamentos. Fizemos o raio x e não deu em nada... Com o medicamento aparentemente passou tudo, mas  no término do antibiótico a febre voltou. Voltamos na pediatra e el ficou preocupada. Passou outro medicamento e pediu pra monitorar tudo, a febre, as queixas . Comentei que reclamava do xixi, ela pediu exame de urina e me deixou livre pra comunicar qualquer coisa por Whatsapp. 

Até agora não consegui fazer o exame de urina, a Mahara não faz xixi naqueles saquinhos e ainda usa fralda. Mas vamos tentando, e continuaremos com exames de sangue também. Hoje fazem dois dias sem febre, ela aparente melhorou, mas depois de duas semanas assim ela agarrou em mim e no peito também.

Hoje consegui publicar aqui porque cheguei adiantada numa reunião do trabalho. Ahhh... e no meio disto tudo derrubei meu celular  privada, que parou de funcionar e tivemos que comprar outro, mas fiquei uma semana sem celular. E nem acredito que este mês está acabando, maio foi intenso e longo pra mim... as mamães já sabem como estou agora neh...

A reunião já vai começar.. .

Bjs e até outro dia... Espero que logo.. 

segunda-feira, 15 de maio de 2017

O retorno



Boa tarde!!!

Existe alguém por aqui ainda?

Estou completamente em dívidas com vocês, né queridas leitoras. Tanta coisas aconteceram pela minha vida que nem saberei por onde começar a contar.

Mas já vou adiantando que me mudei, agora moro num apê e que é o dobro da minha casa, então ainda vai rolar muito DIY de decoração. A Mahara já vai fazer dois anos ( podem ficar abismada com o tempo voando) e vai ter festinha simples e bem caseira mesmo. Ah e ela já esta na escolinha e amando. Já no meu trabalho finalmente conseguindo respirar, e foram minhas colegas que me incentivaram a voltar a escrever por aqui. E com tudo entrando no eixo novamente, tentarei (não prometo) voltar ficar ativa por aqui.

Se alguém leu aqui, não deixa de comentar aí embaixo pra me animar a voltar.






domingo, 8 de janeiro de 2017

Bem vindo 2017

Saudades das Férias







Olá povinho que saudades.... Será que tem alguém por aqui ainda. Feliz ano novo!!!! Que neste ano de 2017 seja de muitas e muitas conquistas!!! Que as tentantes ganhem o tão sonhado duas listrinhas no palito, que as mamães possam dormir 8 hrs, e que nossos babys se transbordem de saúde, inteligência, esperteza e muita sapequice. 

Sumi, desapareci e nunca mais apareci aqui, nem para dar uma satisfação pelo meu sumiço. Mas não vou me desculpa novamente e nem prometer que isso não acontecerá novamente, este blog é mais meu refúgio, lugar para desabafo e tal. Como ele não é meu trabalho e nem fonte de renda ( mas queria que fosse) é inevitável desaparecer daqui de vez em quando. 

Mas vim dar um oi pra mostrar que tô viva e passando muito bem. E o sumiço justifica-se pelo fato que estou tentando viver cada segundo que posso com a Mahara.

Voltei trabalhar de vez, e assumi um novo cargo, de mais responsabilidade ainda, a Mahara cada dia maior, mais esperta, brincalhona e mega inteligente. Até nos grupos do watsapp ando meio sumida, mas quero voltar logo porá aqui.

Ainda falta terminar os relatos da viagem e ainda postar as fotos do niver, e espero consegue fazer isso antes do niver de 2 aninhos, o qual ja tem até tema escolhido.


Mas agora vou ali voltar a tentar fazer a Mahara dormir, e torcer pra que eu ainda consiga voltar aqui essa semana ainda. Beijoquinhas e até a próxima postagem! 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Mãe: um ser indeciso

Ser mãe é viver a cada hora indecisa... Não é fácil ser mãe, ninguém te falou que seria. Mas quando solteira você imaginava uma vida maravilhosa, completa, gratificante, brilhante,  dai você vira mãe e consegue isso, mas não todos os dias. 

Tem horas que o que você mais deseja é sua cama, e dormir sem hora pra acordar, sem um chorinho tem acordando, ou uns dedinhos que cismam em puxar seus cílios para abrir seus olhos. Mas não trocaria suas noites acordadas, seus dias de zumbi por uma vida sem filhos.

Tem horas que o cansaço é extremo, você mal consegue se movimentar, todos a sua volta num agito e você se sentindo perdida no meu imaginando daonde vem essa energia, mas é uma mãozinha cheia de dedos píticos pegar pela sua mão e te puxar para que gire ela no ar, você se revigora, e surge a energia desconhecida e sai correndo pelo sala fazendo aviãozinho como uma boba e apaixonada pela sua cria.

Tem horas que você deseja uma refeição quente e saudável, um corpo sarado e um bom animo pra academia, mas dai se pega na frente do espelho, vendo seu buxo caído e imaginando com saudades daqueles dias deles enormes e um serzinho serelepe dentro dele.

Tem momentos que você deseja que todo salto de desenvolvimento ou pico de crescimento passe logo e não volta mais, levanta as mãos agradecendo por termino de um e ainda fica orgulhosa da sua cria estar crescendo e ainda comemora por mais fase difícil vencida, mas depois pega se imaginando passando tudo novamente com mais um ser gerado do seu amor.

É viver incompleta, sentir falta do seu eu, de seus momentos só, dos seus cabelos sempre penteados, arrumados e com a pintura em dia, as unhas compridas e muito bem feitas, da night com as amigas ou marido, mas depois se pergunta com poderia ser completa antes sem aquele humaninho que te chama de mamãe? 

Mãe é um ser completamente indecisa mesmo, pois antes olhava as mães alheias e mentalmente (algumas falava cara a cara mesmo) julgava pela suas atitudes, e hoje você se pega em situações semelhantes e passa a entender as outras mães.

Ser mãe é viver de indecisão mesmo, é viver de mudanças de opiniões, cuspir pra cima e cair na testa, não dormir,  virar zumbi, comer comida geladas, é tomar banho de segundos, e muitas vezes esquecer de si, e sentir falta de tudo isso, mas não trocaria por nada no mundo uma vida sem filhos.

Ser mãe é isso, e é assim que vivo todos os dias, mais alguém assim???

Ps. não terminei os relatos ainda, mas precisava desvanear um pouco.
Ps². Mudei meu visual completamente, alguém quer ver?

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

{ Relatos de Viagem} Gramado - Viajando de carro com bebê e Mini Mundo

Bom dia amores....

Espero que estejam gostando dos relatos, e tenho muito o que contar ainda... O que vocês quiserem saber podem deixar no comentário que eu respondo no próximo post.

Vi que uma leitora perguntou sobre viajar com criança pequena de carro, se fiquei apreensiva e tal. Confesso que quando comprei a viagem no Groupon, não pensei muito nas dificuldades e problemas em viajar com bebê. Comprei em dezembro do ano passado, então ainda faltava muito tempo (8 meses) para a viagem, e achei que até lá a Mahara já estaria bem acostumada e amando de andar de carro. Achava que já estaria bem mocinha, sentando em cadeirinha já. Mas me enganei, nestes 8 meses a Mahara passou a desgostar mais ainda de passear de carro, de sentar no bebê desconforto, e a cada vez que aproximava a viagem fui ficando nervosa, apreensiva sim, comecei pesquisar alternativas e testar e nada funcionava. Mas a viagem já estava comprada, e a unica alternativa era trocar o bebê conforto pela cadeirinha permitida pelo peso dela (ela ainda não tem 9kg pra sentar virada para frente), mas como queria a cadeirinha que se inclina quando ela dorme, não comprei nenhuma por causa do preço salgado. 

Umas duas semanas antes de viajar conversei com a pediatra, contando da longa viagem e ela me receitou um remédio para enjoo, já que longa viagens pode dar enjoo, e me passou o que é bom levar também.  Então a unica alternativa era dar o remédio para enjoo (pelo menos com a minha irmã funcionava), pra dar sono e dormir né. Reforço que isso não é correto e nem a médica sugeriu, ela apenas receitou caso der enjoo mesmo. No dia da viagem acordamos mega cedo, ja tinha deixado a Mahara dormir com a roupa que ela iria, apenas troquei de fralda e dei o peito sem ela acordar, coloquei ela no bb conforto e orei para que ela dormisse a viagem toda.

Ela dormiu a viagem de ida praticamente toda, quando acordou paramos num posto, troquei a fralda novamente, dei o peito novamente e logo dormiu. Quando ainda faltava duas horas para chegar no nosso destino ela acordou e começou a resmungar, dai eu passei a sentar no lado dela, fui conversando, dando biscoitinho, colocando videos no ipad, dando brinquedo, fomos parando mais vezes para ela sair do carro um pouco, até que ela dormiu de novo. 

Na cidade mesmo, ela foi a Mahara de sempre, que detesta o bebe conforto, chorava e não tinha o que acalmava hehe. Para o retorno foi quase a mesma coisa, mas quando faltava duas horas pra chegarmos em casa ela começou a chorar mesmo e acabamos apelando para o remédio de enjoo, o que não funcionou hehe. Mas mais uma vez íamos tentando de tudo até que ela dormiu.

Então minha dica é: tenha muita paciência, leve mil e uma alternativas pra distrair a criança, mesmo as que você já havia testado e não funcionou. No fim das contas vale a pena, foi uma viagem maravilhosa e repetiria tudo novamente.

Voltando ao relato da viagem, ainda no segundo dia, depois que visitamos o Lago Negro fomos ao Mini Mundo, um lugar perfeito para ir com crianças. É um parque ao ar livre, cheio de miniaturas de construções existentes no mundo real. Como se fosse uma cidade de brinquedo, de maquete. 

Ao chegarmos no local a Mahara dormia, e do nada simplesmente acordou animada, e se jogou no colo da bruxa que tinha logo na entrada do parque. Em tudo ela queria ver de perto, queria que nós contasse o que era e ficava encantada com tudo.

 Tinha muitas curiosidades nas maquetes, e que durante o passeio você tinha que encontrar. Os bonequinhos pareciam ter vida real mesmo.


A bruxa a qual ela se jogou nos braços, hehe;



Ela queria ficar assim, independente, nada de colo.  As pessoas se encantavam com a curiosidade dela.





Gente fiquei encantada pela paciência deste paizão ai em explicar e mostrar todos os detalhes para ela, ele colocou em prática a teoria " escuta ativa", para mostrar para ela tudo.





 Deu pra perceber que o lugar é lindo né, e no local há espaço para as crianças brincarem, dividido em faixa etária e há fraldário também, o qual a Mahara estreou né.

Beijocas e até a próxima.